Saturday, January 13, 2007

Peanut Jimbo, America's worst president

"The Carter administration has managed the extraordinary feat of having, at one and the same time, the worst relations with our allies, the worst relations with our adversaries, and the most serious upheavals in the developing world since the end of the Second World War."

Henry Kissinger




Born James Earl Carter Jr. on October 1, 1924, in Plains, Georgia, Jimmy Carter was raised in a peanut farming, Baptist family. In 1946 he graduated from the Naval Academy in Annapolis, Maryland and soon thereafter married Rosalynn Smith, with whom he would father three sons and a daughter. In 1962 he entered state politics, and in 1970 was elected Governor of Georgia. Six years later he was elected President of the United States, serving one term before losing his 1980 re-election bid to a Ronald Reagan landslide; the electoral vote margin was 489 to 49.

While Carter's administration brought the U.S. some of its worst economic conditions in living memory - with soaring interest and inflation rates - his worst failing as President was in the realm of foreign policy. His human rights policy led to human rights disasters in Nicaragua and Iran, where he facilitated the rise to power of Marxists and Islamist despots, respectively. Both of those new tyrannies far surpassed the brutality of their predecessors. The fruits of the Iran disaster are still very much with the United States today. If the U.S. would have supported the Shah or his successors, the history of the past 25 years in the Middle East would have been very different, and the Iranian people would have fared much better. Moreover, the Soviet Union would have hesitated greatly over invading Afghanistan in 1979. Carter's timid approach to international conflicts emboldened the USSR to extend its reach further into the Third World. By letting the Soviets know he would not respond if they invaded Afghanistan, Carter spawned a war that ultimately saw one million dead Afghans, five million displaced, and a situation of evil that nurtured the Islamic hatred and militancy that ultimately turned on the West and brought about 9/11.

In the years following his Presidency, Carter aggressively pursued the Nobel Peace Prize, seeing it as a means of gaining official redemption for his 1980 humiliation at the hands of American voters. He lobbied quietly behind the scenes for years to get the prize, and finally met with success in 2002 when the leftwing Nobel Prize committee saw an opportunity to use Carter as a way of attacking President Bush and embarrassing the United States. The head of the Nobel Prize committee openly admitted that this was the panel's motivation in selecting Carter. Any other ex-President would have refused to be a part of such an obvious anti-American intrigue, but not Carter, who views himself much more as a citizen of the world than as a citizen of the United States. It is highly revealing that Carter is most popular overseas in those nations that hate America the most, such as Syria, where throngs of people lined the streets cheering him when he visited.

The latest reminder of who is Jimmy Carter is a new book titled Palestine Peace Not Apartheid, in which he sets forth his thesis of Israeli perfidy.

While the titles of some books are misleading, Carter's is not. He actually attempts to make a case that a democratic Israel, whose Jewish majority has never been given a moment's peace from the day of its birth 58 years ago, is analogous to the oppressive white minority that ruled South Africa.

It is a charge so preposterous, and so lacking in reason or sense, that were this the work of any ordinary American it would not likely be given a hearing outside of the fever swamps of the far right or of left, where anti-Zionist minorities dwell.

Instead, the book is being promoted on a national tour during which the ex-president has been interviewed on virtually every major national news program, and given a treatment that can only be described as presidential. Indeed, on NBC's "Meet the Press" where the normally fair-minded Tim Russert usually manages to put the leaders of both parties on the defensive, Carter's slander of Jewish and non-Jewish Americans who love Israel as an all-powerful "lobby" determined to squelch all dissent went unchallenged.

As for the content of the book, it's part memoir and part half-baked history. As many reviewers have already noted (most notably, Alan Dershowitz in the Forward), it is a collection of distortions, errata and falsehoods that would fill a small volume itself.

They add up to an account that disregards Jewish rights to the land, dismisses consistent Jewish acceptance of compromises, ignores a century of Palestinian terrorism and mischaracterizes the persistent Arab rejection of Jewish statehood. The conflict for him is one long account of Israeli violence and Palestinian suffering. For him, the Jews can do virtually no right and the Palestinians no wrong. Since Arab terror doesn't register in Carter's brain, Israeli self-defense can be put down as "oppression."

This Orwellian compendium of slander aimed at Israel is punctuated by accounts of Carter's own involvement in diplomacy and visits to the area.

The book is revealing in one respect. For all of his supposed love for humanity, it appears the Israelis are the one exception to his famous religious goodwill. Though Carter praises the murderous Syrian dictator Hafez Assad and Palestinian arch-terrorist (and fellow Nobel winner) Yasser Arafat, he simply loathes almost every Israeli he meets. And he isn't shy about noting instances in which they have committed the gravest of sins: ignoring his advice.

For instance, he describes in detail a meeting with Israeli Prime Minister Menachem Begin after Carter had left office. Forced by protocol to receive the ex-president, Carter admits that he then subjected the Israeli (whom he obviously despised) to a lecture about his shortcomings. Carter expected Begin, who had been the victim of previous such lectures during the Georgian's presidency, to debate him as he had in the past. Instead, the wily Israeli simply listened politely, and then made it clear that the meeting was over. Decades later, Begin's courteous dismissal of Carter's ill-informed tirade apparently still stings.

A perplexed Dershowitz wonders what would lead "a decent man" to write such a manifestly false book? While I'm not as convinced of Carter's decency as Dershowitz, it's a good question that deserves more scrutiny than the book itself.

I don't know the complete answer, but it is clear from his book that the former president bitterly resents the Israelis lack of acceptance of his ideas. Their stubborn refusal to sell their own survival short has bred in him an anger that seems to grow with every passing year.

And perhaps he also harbors a grudge against American friends of Israel whose votes helped sink his presidency. Indeed, Republicans still use Carter as a symbol of Democratic perfidy, even though most mainstream Democrats have disavowed his crusade against Israel. He remains a symbol of what may happen should their party ever truly betray its Jewish supporters.

But what Israel's friends in both parties cannot afford to do is to give him a pass for this latest outrage. No past good deeds or the intrinsic respect we all hold anyone who has served as president should prevent us from labeling him as the liar and hater that he has become.

Much of this is adapted from the article "The Worst Ex-President"

___________________________________________________________________

Jimmy Carter, o pior presidente dos EUA



James Earl Carter Jr., nascido no dia 1 de outubro de 1924 em Plains, Georgia, foi criado em uma família batista numa fazenda de criação de amendoins. No ano de 1946 ele se formou na Academia Naval de Annapolis, Maryland, e logo depois disso se casou com Rosalynn Smith, com quem teria três filhos e uma filha. Em 1962 ele ingressou na política do estado, e em 1970 foi eleito governador da Geórgia. Seis anos mais tarde ele foi eleito presidente dos Estados Unidos, cumprindo um mandato antes de sofrer uma derrota acachapante para Ronald Reagan em sua tentativa de reeleição em 1980; a margem de voto foi de 489 para 49.

Enquanto a administração Carter causou uma das piores crises econômicas da história, ainda assim seu maior fracasso como presidente foi na área da política externa. Sua política de direitos humanos causou desastres humanitários na Nicarágua e no Irã, onde ele facilitou a chegada ao poder de déspotas marxistas e islâmicos. Ambas as novas tiranias ultrapassaram de longe a brutalidade de seus predecessores, sendo que os resultados de seu desastre no Irã ainda são sentidos nos dias de hoje. Se os EUA tivessem apoiado o Shah ou seus sucessores, a história do Oriente Médio nos últimos 25 anos seria muito diferente, e a população iraniana estaria em condições muito melhores. Além disso, a União Soviética teria hesitado em invadir o Afeganistão em 1979.

A tímida aproximação de Carter em conflitos internacionais incentivou a USSR a aumentar ainda mais sua influência no terceiro mundo. Ao deixar claro para os soviéticos que não responderia a invasão do Afeganistão, Carter foi responsável por uma guerra que deixou 1 milhão de afegãos mortos, 5 milhões de desabrigados, e uma situação de caos que criou um ódio islâmico que, no fim das contas se virou contra o ocidente e resultou no que seria o 11 de setembro.

Nos anos que seguiram sua saída da presidência, Carter perseguiu agressivamente o Prêmio Nobel da Paz, vendo-o como um meio de conseguir sua redenção pela humilhação sofrida nas mãos dos eleitores americanos em 1980. Por anos ele agiu por baixo dos panos, fazendo lobby e perseguindo silenciosamente o prêmio, que finalmente veio a ser recebido no ano de 2002, quando o comitê esquerdista do Prêmio Nobel viu a oportunidade de usar Carter como uma forma de atacar o presidente Bush e constranger os Estados Unidos. O comitê admitiu abertamente que essa foi sua intenção ao escolher Carter.
Qualquer outro ex-presidente americano teria se recusado a fazer parte de tão óbvia intriga antiamericana, mas não Carter, que vê a si próprio muito mais como um cidadão do mundo do que como cidadão americano. É altamente revelador que Carter seja mais popular naquelas nações que odeiam a América, tais como a Síria, onde multidões de pessoas abarrotaram as ruas o saudando quando ele os visitou.

O mais recente lembrete de quem é Jimmy Carter é o novo livro intitulado Palestine, Peace Not Apartheid, no qual ele segue com sua tese da perfídia israelense.

Enquanto os títulos de alguns livros podem enganar, o mesmo não acontece com o de Carter. Ele realmente tenta mostrar que o democrático país de Israel, no qual a maioria judaica nunca teve um minuto de paz desde o dia de sua criação 58 anos atrás, é análogo à opressiva minoria branca que governava a África do Sul.

A acusação é tão absurda, tão sem razão ou sentido, que se esse fosse um trabalho de um americano qualquer, provavelmente não conseguiria nem mesmo uma audição fora dos buracos onde a febre anti-semita, tanto a da extrema direita como a da esquerda residem.

Apesar disso, o livro esta sendo promovido em uma excursão nacional, durante a qual o ex-presidente foi entrevistado em praticamente todos os grandes programas nacionais de notícias, e recebendo um tratamento que só pode ser descrito como presidencial. Até mesmo no programa “Meet the Press” da NBC, onde Tim Russert normalmente consegue pôr os líderes de ambos os partidos na defensiva, a difamação de Carter de que americanos judeus e não judeus que defendem Israel são um lobby todo poderoso determinado a silenciar qualquer discussão ficou sem resposta.

Já sobre o conteúdo do livro, é um misto de memórias e de fatos históricos pela metade. Como muitos revisores já notaram (notavelmente, Alan Dershowitz), é uma coletânea de distorções, erratas e mentiras que sozinhos encheriam um livro próprio.

A isso se somam a uma conta que desconsidera o direito dos judeus para a terra, nega a aceitação consistente de israelenses aos acordos de paz, ignora um século de terrorismo palestino, e descaracteriza a persistente rejeição árabe do Estado Judeu. O conflito para Carter se resume a uma longa conta de violência israelense e de sofrimento palestino. Para ele, os judeus nada podem fazer de certo, já os palestinos nada de errado. Considerando que o terrorismo árabe não entra na cabeça de Carter, toda e qualquer ação de autodefesa israelense pode ser caracterizada como “opressão” pura e simples.

Esse compêndio Orwelliano de difamação apontado para Israel é pontuado pelo próprio envolvimento de Carter em diplomacia e visitas a região.

O livro é revelador em um aspecto. Para todo o seu suposto amor pela humanidade, parece que os israelenses são uma exceção à sua famosa benevolência religiosa.
Embora Carter elogie o ditador assassino sírio Hafez Assad e o terrorista palestino Yasser Arafat (e companheiro vencedor do Nobel da mesma categoria), ele simplesmente detesta todo israelense que conhece. E ele não tem vergonha de apontar o momento em que eles cometeram o mais grave dos pecados: ignorar seus conselhos.

Em um exemplo, ele descreve em detalhes uma reunião que teve com o primeiro-ministro israelense Menachem Begin depois de Carter ter deixado a presidência. Forçado por protocolo a receber o ex-presidente, Carter admite que sujeitou o israelense (a quem ele detestava) a uma dissertação sobre seus erros. Carter esperava que Begin, que já tinha sido vítima do mesmo em ocasiões anteriores durante sua presidência, debatesse com ele como no passado. Ao invés disso, o esperto israelense simplesmente escutou educadamente, e então deixou claro que a reunião tinha terminado.
Décadas mais tarde, a atitude cortês de Begin ainda dói em Carter.

Um perplexo Dershowitz imagina o que levaria “um homem decente” a escrever um livro tão notadamente falso. Ao contrário de Dershowitz, eu não estou tão convencido da decência de Carter, mas essa é uma boa questão e merece um exame mais minucioso do que o próprio livro.

Eu não tenho a resposta completa, mas pelo livro fica bem claro que o ex-presidente se ressente amargamente da falta de aceitação de suas idéias por parte dos israelenses. A recusa teimosa dos israelenses em vender sua própria sobrevivência parece ter criado um sentimento de raiva nele que só parece aumentar com o tempo.

Talvez ele também guarde rancor dos amigos americanos de Israel, cujos votos ajudaram a afundar sua presidência. Até hoje os republicanos usam o nome de Carter como um símbolo da deslealdade democrata, embora a maioria dos democratas mais populares negasse sua cruzada anti-Israel. Ainda hoje ele permanece como um símbolo do que pode acontecer se seu partido trair os seus apoiadores judeus.

Mas o que os amigos de Israel em ambos os partidos não podem fazer é lhe dar passagem após essa última afronta. Nenhuma boa ação do passado ou respeito que tenhamos por qualquer um que tenha servido como presidente deve nos impedir de classificá-lo como o mentiroso cheio de ódio que se tornou.

2 comments:

Jimmy, volta pra sua fazenda de amendoins!! said...

Pena que pro sr. Jimmy Carter, o grande defensor dos direitos humanos, só os árabes (principalmente terroristas) e marxistas (assassinos) merecem direito humanos.

"The Real Jimmy Carter" said...

To get the depth of this man's level of meanness and vindictiveness you need to read the book "The Real Jimmy Carter" by Steven F. Hayward.
I was quite disturbed by the depth of hate in this man.

All we can do is hope he will soon be off the international stage before he embarasses us (I think he is no longer capable of any shame!)