Monday, March 19, 2007

Marxism of the Right / O Marxismo da Direita

by Robert Locke (The American Conservative)

Free spirits, the ambitious, ex-socialists, drug users, and sexual eccentrics often find an attractive political philosophy in libertarianism, the idea that individual freedom should be the sole rule of ethics and government. Libertarianism offers its believers a clear conscience to do things society presently restrains, like make more money, have more sex, or take more drugs. It promises a consistent formula for ethics, a rigorous framework for policy analysis, a foundation in American history, and the application of capitalist efficiencies to the whole of society. But while it contains substantial grains of truth, as a whole it is a seductive mistake.

There are many varieties of libertarianism, from natural-law libertarianism (the least crazy) to anarcho-capitalism (the most), and some varieties avoid some of the criticisms below. But many are still subject to most of them, and some of the more successful varieties—I recently heard a respected pundit insist that classical liberalism is libertarianism—enter a gray area where it is not really clear that they are libertarians at all. But because 95 percent of the libertarianism one encounters at cocktail parties, on editorial pages, and on Capitol Hill is a kind of commonplace “street” libertarianism, I decline to allow libertarians the sophistical trick of using a vulgar libertarianism to agitate for what they want by defending a refined version of their doctrine when challenged philosophically. We’ve seen Marxists pull that before.

This is no surprise, as libertarianism is basically the Marxism of the Right. If Marxism is the delusion that one can run society purely on altruism and collectivism, then libertarianism is the mirror-image delusion that one can run it purely on selfishness and individualism. Society in fact requires both individualism and collectivism, both selfishness and altruism, to function. Like Marxism, libertarianism offers the fraudulent intellectual security of a complete a priori account of the political good without the effort of empirical investigation. Like Marxism, it aspires, overtly or covertly, to reduce social life to economics. And like Marxism, it has its historical myths and a genius for making its followers feel like an elect unbound by the moral rules of their society.

The most fundamental problem with libertarianism is very simple: freedom, though a good thing, is simply not the only good thing in life. Simple physical security, which even a prisoner can possess, is not freedom, but one cannot live without it. Prosperity is connected to freedom, in that it makes us free to consume, but it is not the same thing, in that one can be rich but as unfree as a Victorian tycoon’s wife. A family is in fact one of the least free things imaginable, as the emotional satisfactions of it derive from relations that we are either born into without choice or, once they are chosen, entail obligations that we cannot walk away from with ease or justice. But security, prosperity, and family are in fact the bulk of happiness for most real people and the principal issues that concern governments.

Libertarians try to get around this fact that freedom is not the only good thing by trying to reduce all other goods to it through the concept of choice, claiming that everything that is good is so because we choose to partake of it. Therefore freedom, by giving us choice, supposedly embraces all other goods. But this violates common sense by denying that anything is good by nature, independently of whether we choose it. Nourishing foods are good for us by nature, not because we choose to eat them. Taken to its logical conclusion, the reduction of the good to the freely chosen means there are no inherently good or bad choices at all, but that a man who chose to spend his life playing tiddlywinks has lived as worthy a life as a Washington or a Churchill.

Furthermore, the reduction of all goods to individual choices presupposes that all goods are individual. But some, like national security, clean air, or a healthy culture, are inherently collective. It may be possible to privatize some, but only some, and the efforts can be comically inefficient. Do you really want to trace every pollutant in the air back to the factory that emitted it and sue?

Libertarians rightly concede that one’s freedom must end at the point at which it starts to impinge upon another person’s, but they radically underestimate how easily this happens. So even if the libertarian principle of “an it harm none, do as thou wilt,” is true, it does not license the behavior libertarians claim. Consider pornography: libertarians say it should be permitted because if someone doesn’t like it, he can choose not to view it. But what he can’t do is choose not to live in a culture that has been vulgarized by it.

Libertarians in real life rarely live up to their own theory but tend to indulge in the pleasant parts while declining to live up to the difficult portions. They flout the drug laws but continue to collect government benefits they consider illegitimate. This is not just an accidental failing of libertarianism’s believers but an intrinsic temptation of the doctrine that sets it up to fail whenever tried, just like Marxism.

Libertarians need to be asked some hard questions. What if a free society needed to draft its citizens in order to remain free? What if it needed to limit oil imports to protect the economic freedom of its citizens from unfriendly foreigners? What if it needed to force its citizens to become sufficiently educated to sustain a free society? What if it needed to deprive landowners of the freedom to refuse to sell their property as a precondition for giving everyone freedom of movement on highways? What if it needed to deprive citizens of the freedom to import cheap foreign labor in order to keep out poor foreigners who would vote for socialistic wealth redistribution?

In each of these cases, less freedom today is the price of more tomorrow. Total freedom today would just be a way of running down accumulated social capital and storing up problems for the future. So even if libertarianism is true in some ultimate sense, this does not prove that the libertarian policy choice is the right one today on any particular question.

Furthermore, if limiting freedom today may prolong it tomorrow, then limiting freedom tomorrow may prolong it the day after and so on, so the right amount of freedom may in fact be limited freedom in perpetuity. But if limited freedom is the right choice, then libertarianism, which makes freedom an absolute, is simply wrong. If all we want is limited freedom, then mere liberalism will do, or even better, a Burkean conservatism that reveres traditional liberties. There is no need to embrace outright libertarianism just because we want a healthy portion of freedom, and the alternative to libertarianism is not the USSR, it is America’s traditional liberties.

Libertarianism’s abstract and absolutist view of freedom leads to bizarre conclusions. Like slavery, libertarianism would have to allow one to sell oneself into it. (It has been possible at certain times in history to do just that by assuming debts one could not repay.) And libertarianism degenerates into outright idiocy when confronted with the problem of children, whom it treats like adults, supporting the abolition of compulsory education and all child-specific laws, like those against child labor and child sex. It likewise cannot handle the insane and the senile.

Libertarians argue that radical permissiveness, like legalizing drugs, would not shred a libertarian society because drug users who caused trouble would be disciplined by the threat of losing their jobs or homes if current laws that make it difficult to fire or evict people were abolished. They claim a “natural order” of reasonable behavior would emerge. But there is no actual empirical proof that this would happen. Furthermore, this means libertarianism is an all-or-nothing proposition: if society continues to protect people from the consequences of their actions in any way, libertarianism regarding specific freedoms is illegitimate. And since society does so protect people, libertarianism is an illegitimate moral position until the Great Libertarian Revolution has occurred.

And is society really wrong to protect people against the negative consequences of some of their free choices? While it is obviously fair to let people enjoy the benefits of their wise choices and suffer the costs of their stupid ones, decent societies set limits on both these outcomes. People are allowed to become millionaires, but they are taxed. They are allowed to go broke, but they are not then forced to starve. They are deprived of the most extreme benefits of freedom in order to spare us the most extreme costs. The libertopian alternative would be perhaps a more glittering society, but also a crueler one.

Empirically, most people don’t actually want absolute freedom, which is why democracies don’t elect libertarian governments. Irony of ironies, people don’t choose absolute freedom. But this refutes libertarianism by its own premise, as libertarianism defines the good as the freely chosen, yet people do not choose it. Paradoxically, people exercise their freedom not to be libertarians.

The political corollary of this is that since no electorate will support libertarianism, a libertarian government could never be achieved democratically but would have to be imposed by some kind of authoritarian state, which rather puts the lie to libertarians’ claim that under any other philosophy, busybodies who claim to know what’s best for other people impose their values on the rest of us. Libertarianism itself is based on the conviction that it is the one true political philosophy and all others are false. It entails imposing a certain kind of society, with all its attendant pluses and minuses, which the inhabitants thereof will not be free to opt out of except by leaving.

And if libertarians ever do acquire power, we may expect a farrago of bizarre policies. Many support abolition of government-issued money in favor of that minted by private banks. But this has already been tried, in various epochs, and doesn’t lead to any wonderful paradise of freedom but only to an explosion of fraud and currency debasement followed by the concentration of financial power in those few banks that survive the inevitable shaking-out. Many other libertarian schemes similarly founder on the empirical record.

A major reason for this is that libertarianism has a naïve view of economics that seems to have stopped paying attention to the actual history of capitalism around 1880. There is not the space here to refute simplistic laissez faire, but note for now that the second-richest nation in the world, Japan, has one of the most regulated economies, while nations in which government has essentially lost control over economic life, like Russia, are hardly economic paradises. Legitimate criticism of over-regulation does not entail going to the opposite extreme.

Libertarian naïveté extends to politics. They often confuse the absence of government impingement upon freedom with freedom as such. But without a sufficiently strong state, individual freedom falls prey to other more powerful individuals. A weak state and a freedom-respecting state are not the same thing, as shown by many a chaotic Third-World tyranny.

Libertarians are also naïve about the range and perversity of human desires they propose to unleash. They can imagine nothing more threatening than a bit of Sunday-afternoon sadomasochism, followed by some recreational drug use and work on Monday. They assume that if people are given freedom, they will gravitate towards essentially bourgeois lives, but this takes for granted things like the deferral of gratification that were pounded into them as children without their being free to refuse. They forget that for much of the population, preaching maximum freedom merely results in drunkenness, drugs, failure to hold a job, and pregnancy out of wedlock. Society is dependent upon inculcated self-restraint if it is not to slide into barbarism, and libertarians attack this self-restraint. Ironically, this often results in internal restraints being replaced by the external restraints of police and prison, resulting in less freedom, not more.

This contempt for self-restraint is emblematic of a deeper problem: libertarianism has a lot to say about freedom but little about learning to handle it. Freedom without judgment is dangerous at best, useless at worst. Yet libertarianism is philosophically incapable of evolving a theory of how to use freedom well because of its root dogma that all free choices are equal, which it cannot abandon except at the cost of admitting that there are other goods than freedom. Conservatives should know better.
_________________________________________________

Resumo: O libertarianismo tem muito a dizer a respeito da liberdade mas pouco a dizer a respeito de como lidar com ela.

As pessoas de espírito livre, os ambiciosos, os ex-socialistas, os usuários de drogas e os sexualmente excêntricos frequentemente se atraem pela filosofia política do libertarianismo, idéia segundo à qual a liberdade individual deveria ser a regra básica da ética e do governo. O libertarianismo alivia a culpa de seus crentes naquilo que a sociedade atual condena, como ganhar mais dinheiro, fazer mais sexo ou tomar mais drogas. Ele provê uma fórmula eticamente consistente, um sistema politicamente rígido, um fundamento na história americana e aplicações das eficiências capitalistas por toda a sociedade. Embora contenha boas doses de verdade, o libertarianismo, como um todo, não passa de um erro sedutor.

Há vários tipos de libertarianismo: desde o libertarianismo da lei natural (o menos doido) até o anarco-capitalismo (o mais doido), sendo que alguns desses tipos evitam as críticas a seguir. Mas muitos ainda estão sujeitos a elas e alguns dos tipos mais bem sucedidos – recentemente ouvi falar que liberalismo clássico é libertarianismo – pertencem a uma certa região cinzenta onde não está muito claro se são libertários ou não. Mas, já que 95% do libertários que se vê em coquetéis, páginas editoriais e no Capitólio são libertários “de rua”, recuso-me a permitir que os libertários façam uso do truque sofístico de usar um versão refinada de sua doutrina para defender seu libertarianismo vulgar, quando são desafiados filosoficamente. Já vimos os marxistas fazerem isso.

Isso não é surpresa, uma vez que o libertarianismo é basicamente o Marxismo da Direita. Se o marxismo é a ilusão de que é possível governar uma sociedade puramente à base de altruismo e coletivismo, então o libertarianismo é a ilusão-espelho de que é possível governar uma sociedade puramente à base de egoísmo e individualismo. Na verdade, para funcionar, a sociedade precisa tanto de individualismo quanto de coletivismo, tanto de egoísmo quanto de altruísmo. À exemplo do marxismo, o libertarianismo provê a falsa segurança intelectual de uma explicação a priori completa do bem político, sem dedicar-se a investigações empíricas. Assim como o marxismo, o libertarianismo procura reduzir a vida social à economia. E, como o marxismo, o libertarianismo tem seus mitos históricos e um dom especial em fazer seus seguidores sentirem-se como almas eleitas, livres das regras morais da sociedade.

O problema fundamental do libertarianismo é bem simples: a liberdade, embora seja uma coisa boa, não é a única coisa boa na vida. A simples segurança física pessoal, que até um prisioneiro pode ter, não é liberdade e, no entanto, não conseguimos viver sem ela. A prosperidade está ligada à liberdade já que ela nos torna livres para consumir mas não é a mesma coisa; é possível ser rico e ao mesmo tempo oprimido como, por exemplo, a esposa de um magnata dos tempos vitorianos. A família é uma das coisas menos livres que podemos imaginar. As satisfações emocionais que extraímos da família derivam de relacionamentos dentro dos quais já nascemos, sem esolha, ou dos quais dificilmente conseguimos escapar com facilidade ou justiça. Mas segurança, prosperidade e família são justamente o grosso da felicidade da grande maioria das pessoas e as questões principais das quais se ocupam os governos.

Os libertários tentam contornar o fato de que a liberdade não é o único bem ao tentarem reduzir todos os outros bens por meio do conceito de escolha, afirmando que as coisas são boas porque as escolhemos. Logo, a liberdade supostamente abarca todos os outros bens. Mas isso viola o senso comum ao negar que as coisas possam ser boas por natureza, não importa se foram escolhidas ou não. Os alimentos nutritivos são bons para nós mas não porque escolhemos comê-los. Levada às últimas conseqüências lógicas, a redução do bem ao livremente escolhido significa dizer que não há escolhas inerentemente boas ou ruins, pois um sujeito que escolheu passar a vida jogando futebol de botão viveu tão dignamente quanto um Washington ou um Churchill.

Além disso, a redução de todos os bens às escolhas individuais pressupõe que todos os bens são individuais. Mas alguns bens, como segurança nacional, ar puro ou cultura saudável são inerentemente coletivos. É até possível privatizar alguns bens, mas somente alguns, e os resultados poderão ser comicamente ineficientes. Você realmente conseguiria volver todos os poluentes às suas respectivas fábricas e processar os donos das fábricas?

Os libertários estão certos quando dizem que nossa liberdade termina onde começa a liberdade do próximo mas eles subestimam a facilidade com que isso acontece. Mesmo que o princípio libertário “se você não agredir ninguém, faça do jeito que achar melhor” estiver correto, ele não autoriza o comportamento que os libertários reivindicam. Considere o caso da pornografia: os libertários dizem que ela deve ser liberada porque se alguém não gosta de pornografia, basta não escolher vê-la. Mas o que não é possível escolher é não viver numa cultura vulgarizada pela pornografia.

Na vida real, é raro os libertários viverem à altura de seus próprios princípios; eles tendem a se entregar às partes prazerosas e recusam-se a viver as partes mais difíceis. Eles zombam das leis anti-drogas mas continuam a receber os benefícios governamentais que consideram ilegítimos. Não se trata de uma falha acidental dos libertários mas algo intrínseco às doutrinas fadadas ao fracasso onde quer que sejam implementadas, exatamente como o marxismo.

Os libertários precisam enfrentar algumas questões difíceis. E se uma sociedade livre tivesse de implantar o alistamento militar obrigatório para permanecer livre? E se essa sociedade tivesse de barrar importações de petróleo de países inimigos para proteger a liberdade econômica de seus cidadãos? E se essa sociedade precisasse forçar seus cidadãos a se educarem para permanecer livre? E se essa sociedade precisasse forçar proprietários de terras a vender suas propriedades como precondição para permitir livre trânsito em rodovias? E se essa sociedade precisasse desprover seus cidadãos da liberdade de importar mão-de-obra barata a fim de evitar que estrangeiros pobres votem a favor de programas socialistas de redistribuição de renda?

Em todos esses casos, menos liberdade hoje é o preço a pagar por mais liberdade amanhã. A liberdade total hoje pode significar um esvaziamento do capital social acumulado e um acúmulo de problemas para o futuro. Portanto, mesmo que o libertarianismo seja verdadeiro em última instância, isso não prova que as políticas libertárias sejam recomendáveis para implantação hoje, em qualquer questão particular.

Além disso, se limitar a liberdade hoje pode significar um prolongamento dela amanhã, então limitar a liberdade amanhã pode significar um prolongamento dela depois de amanhã e assim por diante, de maneira que uma quantidade certa de liberdade pode, na verdade, ser perpetuamente uma liberdade limitada. Mas se liberdade limitada for a escolha certa, então o libertarianismo, que absolutiza a liberdade, está simplesmente errado. Se tudo o que precisamos é de liberdade limitada, então o mero liberalismo serve ou, melhor ainda, um conservadorismo burkeano que reverencie as liberdades tradicionais. Não é preciso abraçar o libertarianismo cabal só porque queremos uma porção saudável de liberdade, e a alternativa ao libertarianismo não é a URSS, mas as liberdades tradicionais da América.

A visão abstrata e absolutista que o libertarianismo tem da liberdade leva a conclusões bizarras. O libertarianismo degenera-se em idiotice total quando trata as crianças como adultos, apoiando a abolição da educação compulsória e de todas as leis direcionadas às crianças, como as leis contra o trabalho infantil e sexo infantil. O libertarianismo também é incapaz de lidar com os loucos e os senis.

Os libertários dizem que a tolerância radical, como a legalização das drogas, não ameaçaria uma sociedade libertária porque os usuários de drogas que causassem problemas seriam disciplinados pelo perigo de perderem seus empregos ou lares, caso as atuais leis não dificultassem as demissões e os despejos. Eles defendem que uma “ordem natural” surgiria a partir desses comportamentos sensatos. Mas não há provas empíricas de que isso realmente aconteça. Além disso, percebe-se que o libertarianismo é uma proposição do tipo tudo-ou-nada: se a sociedade continuar a proteger o povo das conseqüências de seus próprios atos, o libertarianismo aplicado a questões específicas não funcionaria. E, dado que a sociedade protege o povo de certa forma, o libertarianismo é considerado uma posição moral ilegítima até que a Grande Revolução Libertária estoure.

E será que a sociedade está realmente errada ao proteger o povo das conseqüências negativas de algumas de suas escolhas? Dado que é obviamente justo que as pessoas desfrutem dos benefícios de suas sábias decisões e sofram os fardos das decisões estúpidas, as sociedades decentes estabelecem limites a ambos os casos. Às pessoas é dado o direito de se tornarem milionárias, mas não são forçadas a morrer de fome. Elas são privadas dos benefícios extremos que a liberdade pode dar para que nos poupe dos fardos extremos. A alternativa libertópica pode até ser mais deslumbrante, mas é certamente mais cruel.

Empiricamente, a maior parte das pessoas não deseja a liberdade absoluta e é por isso que as democracias não elegem governos libertários. Ironia das ironias, o povo não escolhe a liberdade absoluta. Mas isso refuta o libertarianismo em suas próprias premissas, pois o libertarianismo define o bem como aquilo que é livremente escolhido e, mesmo assim, as pessoas não o escolhem. Paradoxalmente, as pessoas exercem sua liberdade de não serem libertárias.

O corolário político disso tudo é que nenhum eleitorado apoiaria o libertarianismo e, portanto, um governo libertário jamais seria implantado democraticamente mas teria de ser imposto por algum Estado autoritário, o que lança por terra a idéia libertária. O libertarianismo é baseado na convicção de que ele é a única filosofia política verdadeira e todas as outras são falsas. Ela impõe um certo tipo de sociedade, com todas as suas vantagens e desvantagens, na qual seus habitantes não estarão livres para alterá-la, exceto emigrando.

E se os libertários porventura conseguirem o poder, podemos esperar uma mistureba de políticas bizarras. Muitos apóiam a abolição da moeda emitida pelo governo em favor da moeda cunhada por bancos privados. Mas isso já foi tentado antes, em várias épocas, e não acarretou em nenhum paraíso de liberdade mas numa explosão de fraudes e desvalorizações, concentrando o poder financeiro naqueles poucos bancos que sobreviveram à inevitável agitação. Muitas outras políticas libertárias foram a pique no passado.

A razão pricipal para isso é a visão ingênua que o libertarianismo tem da economia, uma visão que parece ter parado de acompanhar o desenvolvimento do capitalismo desde aproximadamente 1880. Não é o caso aqui de refutarmos o laissez-faire simplista que eles defendem, mas é suficiente citarmos o caso do Japão, a segunda maior economia do mundo, que é uma das economias mais reguladas do mundo, enquanto nações cujas economias estão essencialmente desregulamentadas, como a Rússia, dificlmente poderíamos considerá-las paraísos. A crítica legítima à super-regulamentação não implica que o extremo oposto seja a solução.

A ingenuidade libertária se estende à política também. Os libertários frequentemente confundem ausência de intervenções governamentais com liberdade em si. Mas, sem um Estado suficientemente forte, a liberdade individual torna-se vítima dos indivíduos mais poderosos. Um Estado fraco e um Estado que respeite a liberdade não são a mesma coisa, conforme se vê em muitas tiranias caóticas do Terceiro Mundo.

Os libertários também são ingênuos no que se refere ao alcance e perversidade dos desejos humanos que eles propõem desatar. Eles não conseguem imaginar nada mais ameaçador do que um pouquinho de sado-masoquismo no domingo à tarde, seguido de uso recreativo de drogas e trabalho normal na segunda-feira. Eles acham que se as pessoas forem livres, então elas assumirão vidas que basicamente giram em torno de valores burguesas. Mas eles se esquecem que boa parte da população, se deixada completamente livre, se entregará à bebida, às drogas, não arranjará emprego e terão filhos fora do casamento. A sociedade depende de um certo auto-domínio inculcado se não quiser despencar para o barbarismo, e os libertários atacam justamente este auto-domínio. Ironicamente, essa atitude acarreta em substituir o auto-domínio interno pelo auto-domínio externo imposto pela polícia e pelas prisões, resultando em menos liberdade, não mais.

Esse desprezo pelo auto-domínio é símbolo de um problema mais profundo: o libertarianismo tem muito a dizer a respeito da liberdade mas pouco a dizer a respeito de como lidar com ela. Liberdade sem juízo é, na melhor das hipóteses, perigosa, e na pior das hipóteses, imprestável. O libertarianismo é filosoficamente incapaz de desenvolver uma teoria de como usar adequadamente a liberdade porque seu dogma principal é que todas as escolhas feitas livremente são iguais e ele é incapaz de abandoná-la, exceto à custa de admitir que há outros bens além da liberdade. Os conservadores que o digam.

Tradução e adaptação: Edward Wolff.

2 comments:

Anonymous said...

Hey I know this is off toрic but І ωaѕ wondering if уou knew оf
аny wіdgets I сoulԁ аdd tο my blοg that
аutomaticаlly tweet my neωest twitter updates.
I've been looking for a plug-in like this for quite some time and was hoping maybe you would have some experience with something like this. Please let me know if you run into anything. I truly enjoy reading your blog and I look forward to your new updates.

Here is my blog: asian massage
Also see my page: massage table

Anonymous said...

[url=http://www.mulberryinoutlet.co.uk]Mulberry uk[/url] Warblers draw birders here during spring migration to view Pine, Chestnut-sided, and Black-throated Blue Warbler, to name just a few. [url=http://dkgoose.com]Canada Goose Parka[/url] Uycnowsqx [url=http://csrhelix.com]canada goose jacka[/url]
alyiag 433046 [url=http://www.chilliwackbombersoutlet.com]canada goose black friday[/url] 846453 [url=http://www.officialcanadagooseparkas.ca]canada goose authentic[/url]